É normal meu filho ter dor de cabeça?

A cefaléia, mais conhecida como dor de cabeça, é a terceira queixa mais comum no mundo. E não atinge só os adultos.

Cerca de 90% das crianças e adolescentes terão pelo menos um episódio de cefaléia no período de um ano. Na verdade, mais de um quarto dos adolescentes apresenta cefaléia uma vez por semana. Isso traz impactos no aprendizado escolar, relacionamento familiar e qualidade de vida dos jovens. Por isso, deve ser tratado como uma assunto sério pelos pais e profissionais de saúde.

As principais causas pediátricas de dor de cabeça aguda são: infecções virais, sinusite e abertura do quadro de enxaqueca.

Já a dor de cabeça crônica pode ser um sintoma de uma outra doença, como no caso de cefaléia secundária, ou pode ser a própria doença (cefaléia primária).

As dores de cabeça primárias são responsáveis por 90% de todas as dores de cabeça crônicas na população pediátrica. A principal função da investigação diagnóstica na doença crônica é diferenciar entre cefaléias primárias e secundárias.

Os sintomas mais frequentes de cefaléia secundária são: febre, alteração do nível de consciência ou da marcha, abertura do quadro antes dos seis anos de idade, ausência de história familiar de dor de cabeça e piora progressiva da dor ao longo do tempo. Se algum desses sintomas estiver presente, uma avaliação mais detalhada é obrigatória e exames devem ser feitos para procurar a doença responsável pelo quadro.

Se a dor de cabeça da criança não apresentar essas características, provavelmente temos um quadro de cefaléia primária, onde a dor é a própria doença.

As principais causas de cefaléia primária em crianças são a cefaléia tensional e a enxaqueca, também chamada de migrânea. O tratamento consiste inicialmente em mudanças dos hábitos de vida. Se o quadro permanecer, podem ser usados medicamentos profiláticos.

Aqui estão algumas mudanças de hábito para prevenir a dor de cabeça primária:

  1. Durma o suficiente

  2. Coma regularmente – evite longos períodos de jejum, já que baixo açúcar no sangue pode iniciar a dor de cabeça

  3. Fique hidratado

  4. Coma alimentos que ajudem a prevenir enxaqueca como: vegetais verde-escuros, grãos, carne magra ou peixes, alimentos com vitamina D.

  5. Aprenda a identificar alimentos que possam desencadear dores de cabeça

  6. Pratique exercícios físicos regularmente

  7. Identifique e reduza o estresse

  8. Mantenha um diário da dor de cabeça para avaliar os horários e dias mais propensos para a dor

  9. Evite abusar de analgésicos para não criar dependência ou dor de cabeça rebote. Usar mais do que uma vez por semana já é muito

  10. Reduza o tempo exposto a televisão, video-games e outros equipamentos eletrônicos

  11. Lembre-se que problemas na visão são causa de uma parcela muito pequena das queixas.

 

Fonte: Dra. Paula Girotto e Rodrigues e Vilanova – Tratado de Neurologia Infantil.

Por: Dra. Paula Girotto