Crises Febris. Quem não ficaria em pânico ao ver o filho convulsionando, ainda mais com sintomas de febre? Que pais não ficariam repassando em suas mentes o que desencadeou essa condição no pequeno? Mas você já parou para pensar que este episódio pode ter sido causado por uma condição genética, ou seja, herdado de parentes próximos?

A criança pode estar apresentando um quadro de Convulsão Febril, que caracteriza-se por uma perda de consciência momentânea, tremores nos braços e nas pernas, viradas nos olhos, dificuldade para respirar, contrações e tensão muscular, associados exclusivamente à febre e não a nenhuma outra situação médica.

Dependendo do tipo de crise febril, essas crises podem durar desde poucos segundos até mais de quinze minutos, podendo ocorrer mais de uma vez em um único dia e ser seguida por um momento de confusão mental e de sonolência, por exemplo.

Continue acompanhando este artigo para saber O Que Você Pode Fazer Para Aliviar as Crises Febris do Seu Filho, como identificá-las, como tratá-las e muito mais.

Crises Febris – O Que Fazer Diante de uma Crise?

Esta condição costuma atingir, principalmente, crianças entre os seis primeiros meses de vida e os três anos de idade. Diante deste quadro, a criança apresenta movimentos descoordenados, curtos e súbitos dos músculos.
Quando o pequeno apresenta uma Crise Febril, por mais que seja desesperador presenciar este tipo de cena, é importante que você fique calmo e tome as seguintes atitudes:

  • Coloque-o de lado em uma superfície protegida e observe-o;
  • Firme a cabeça dele de lado para que a saliva ou qualquer secreção possa escorrer pela boca naturalmente e não obstrua a sua respiração;
  • Afaste os objetos que possam machucar a criança;
  • Não tente interromper os movimentos;
  • Não tente introduzir nada na boca;
  • Cronometre o tempo de duração da convulsão;
  • Se durar mais do que cinco minutos, leve-o imediatamente a um Pronto Atendimento ou acione uma ambulância;
  • Quando a crise termina, a criança pode ficar confusa ou até mesmo sonolenta, e por isso vai precisar dormir por um momento;
  • Mesmo que a criança adormeça, leve-a ao médico.

Veja mais orientações sobre o que fazer nesta situação, em nosso artigo: “Meu filho convulsionou. E agora?“.

Crises Febris – Tratamento

No consultório, é importante que você relate nos mínimos detalhes como foi a Convulsão da Crise Febril que o seu pequeno apresentou, para que o médico possa realizar um exame clínico, sem a necessidade da realização de exames como de Ressonância ou de Tomografia, por exemplo.

Os que podem ser solicitados em casos de fase aguda são Eletroencefalograma (EEG), exames de sangue e de urina (para detectar casos de infecções urinárias) ou de líquor (para o diagnóstico de meningites), para saber qual condição está desencadeando a febre na criança.

Apesar da Crise Febril não ter tratamento específico, o médico pode prescrever medicamentos com a finalidade de controlar a oscilação da temperatura da criança, já que muitas vezes, as convulsões acontecem quando ela começa a subir (acima dos 37,5° C). Entretanto, o remédio não deve ser ingerido durante o momento de crise, porque pode piorar a situação, causar um engasgo ou uma aspiração.

Se a criança estiver apresentando convulsões febris com frequência, o Neuropediatra poderá receitar um anti-convulsivante de ação rápida, que deve ser ingerido de acordo com as instruções médicas. Mas é importante considerar que apresentar uma crise febril não significa que seu filho terá epilepsia ao longo da vida.

Referência: Kids Health

Artigo Publicado em: 17 maio, 2017 e Atualizado em: 17 outubro, 2019

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!