Você já presenciou uma cena onde uma criança pareceu estar “fora do ar”, ou seja, em que ela não reagiu a estímulos e de repente voltou à realidade como se nada tivesse acontecido?

Apesar de não ser nenhum indicativo grave, as Crises de Ausência (que afetam principalmente as crianças) podem aparecer devido a transtornos neurológicos, que raramente persistem até a idade adulta.

Continue a leitura deste artigo para saber mais sobre a Crise de Ausência na Infância, e se esta causa algum impacto durante os primeiros anos de vida de uma criança.

Crise de Ausência na Infância – O Que É?

Uma Crise de Ausência é um tipo de crise epiléptica mais comum na primeira fase da vida de uma pessoa, e é caracterizada por interrupções breves da consciência. Ou seja, nessas condições, o corpo físico da criança está presente, porém a sua consciência não está. Com isso, ela acaba não demonstrando qualquer tipo de reação por alguns segundos, o que pode inclusive passar despercebido pelas pessoas que estão ao seu redor.

Estas crises momentâneas começam a se manifestar mais comumente a partir dos cinco anos de idade da criança, juntamente com sintomas como o bloqueio da fala, discretos movimentos nos olhos, pálpebras e movimentos involuntários nas mãos.  

Crise de Ausência na Infância – Quais são os Sintomas?

Os sintomas da Crise de Ausência na Infância costumam aparecer de forma inesperada e podem se repetir diversas vezes ao dia, ou podem acontecer durante várias semanas e até mesmo meses. Estas crises, geralmente, são identificadas por:

  • Distração;
  • Introversão (a pessoa fica mais absorta);
  • Sonolência.

Aos olhos dos outros, parece que a criança está “sonhando acordada” ou que está perdida em pensamentos, mas na verdade, ela pode estar tendo um quadro de Crise de Ausência. Quando isso acontece, o ideal é que o adulto ou responsável interaja com ela. Caso o pequeno não se lembre de nada do que tenha acontecido ao seu redor nesse curto espaço de tempo, é provável que ele tenha passado pela experiência descrita acima.

Crise de Ausência na Infância – Quais são os Tipos?

  • Crise Típica de Ausência: é uma crise epiléptica e costuma sumir quando a pessoa chega à fase adulta. A sua principal característica é a perda repentina da percepção, que pode ou não vir acompanhada de movimentos involuntários da face;
  • Crise de Ausência Atípica: é uma experiência comum em crianças com Epilepsia mais grave e Encefalopatias (qualquer tipo de doença cerebral que altera o funcionamento ou a estrutura do cérebro). Nesses casos também acontece uma desconexão com o momento atual, mas de forma mais suave, e os pequenos também costumam apresentar problemas psicomotores;
  • Crises Complexas: são caracterizadas pela presença de uma aura, os quadros costumam durar um minuto ou mais, pode ser acompanhada de movimentos dos braços.

Crise de Ausência na Infância – Como é Feito o Diagnóstico?

O diagnóstico das Crises de Ausência na Infância é feito através do histórico familiar, em que o Neuropediatra analisa se há casos de Epilepsia na família e realiza um exame físico, que pode incluir a solicitação de um eletroencefalograma para complementar a análise médica.

Crise de Ausência na Infância – Quais são os Tratamentos?

O tratamento é feito à base de doses de um medicamento antiepiléptico, que é prescrito pelo próprio Neuropediatra. A suspensão do remédio também é feita pelo médico responsável e de forma gradativa. Além disso, os especialistas recomendam que, em paralelo, a criança tenha uma vida ativa e saudável, para que assim, ela possa ter uma melhor qualidade de vida.

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!