Desmaio em Crianças: É Normal? Correr, brincar, tropeçar, cair, se machucar, ralar os joelhos e assim por diante. Cada dia é uma aventura diferente e, consequentemente, um arranhão novo, mas não tem problema, porque você já sabe como lidar com eles. Porém, e se acontecer um desmaio? É preciso correr para o hospital? Seu filho está em perigo? É algo grave? E a resposta é: Depende.

Continue acompanhando este artigo para saber sobre o Desmaio em Crianças, em quais condições ele pode ser considerado um quadro normal e o que fazer em situações como essas.

Desmaio em Crianças

O Que é o Desmaio em Crianças?

O desmaio ou a síncope se trata de uma perda da consciência, causada, geralmente, pela diminuição do fluxo sanguíneo no cérebro. E quando ele ocorre, geralmente, é sinal de uma reação natural do corpo a um fator fisiológico, como a exposição excessiva ao calor, por exemplo.

Porém, se a criança demorar mais do que 60 segundos para recobrar a consciência, é um indício de que não se trata apenas de um simples desmaio. E que o ideal é sim chamar uma ambulância ou levá-la ao Pronto Atendimento o quanto antes, já que pode ser o caso de um problema cardíaco, anêmico ou diabético.

Reconhecendo os Sinais

O desmaio em crianças é comum de se manifestar em situações de diminuição drástica no nível de açúcar sanguíneo – principalmente, por ficar sem comer por muito tempo; queda de pressão arterial (quando o sangue tem dificuldade para chegar no cérebro); de desidratação; de exposição ao sol; de estar em um ambiente fechado; de se levantar rapidamente após permanecer sentada por muito tempo.

E, geralmente, antes do episódio acontecer, o corpo apresenta alguns indícios, como:

  • Tontura;
  • Visão embaçada;
  • Mãos frias;
  • Pele pálida.

Diante disso, é importante se atentar a alguns detalhes que podem ajudar a prevenir o desmaio, tais como: manter a criança sempre hidratada e bem alimentada; vesti-la com roupas adequadas para o ambiente em que for exposta e evitar lugares muito abafados ou com sol forte, por exemplo.

Instruções a Serem Seguidas

Perante um desmaio, e por mais difícil que seja diante da situação, vocês devem se acalmar e tomar algumas atitudes para deixar a criança mais confortável, como:

  • Deitá-la e deixar as pernas levantadas, a 40 cm da superfície – desta forma, melhora o fluxo de sangue para o cérebro, e, consequentemente, há um aumento na oxigenação;
  • Vire-a de lado, para que não se engasgue;
  • Afrouxe as roupas, com o intuito de facilitar na respiração;
  • Coloque uma coberta ou uma peça de roupa sobre ela, para mantê-la aquecida;
  • Remova qualquer objeto que possa estar na frente do rosto dela e não tente introduzir nenhum líquido ou alimento;
  • Quando recobrar a consciência, acalme-a e deixe-a deitada por mais alguns minutos antes de ajudá-la a se levantar;
  • Durante as próximas 12h, fiquem atentos ao comportamento dela e observe se haverá outros episódios.

Nos casos em que o pequeno acorda rapidamente, é importante marcar uma consulta com o médico para entender o que pode estar acontecendo. Mas, se ele demorar mais do que um minuto para despertar, chame uma ambulância ou leve-o ao Pronto Socorro o mais rápido possível.

O Neuropediatra deve ser procurado em situações de desmaios repentinos e recorrentes, e quando surgir acompanhado de dificuldades para falar, ver ou se mexer; de feridas ou machucados; de convulsões e de dor no peito e batimento cardíaco irregular.

Referência: Children’s Hospital of Philadelphia

Artigo Publicado em: 26 out, 2017 e Atualizado em: 11 jun, 2020

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!