Que pais não perdem a cabeça devido à má criação, falta de respeito, birras e tantas outras atitudes típicas dos pequenos, que os fazem passar nervoso e até mesmo por constrangimento? Mas você já parou para pensar que esse tipo de comportamento pode não ser culpa dele? Que ele pode ter algum problema mais sério do que você imaginava?

Quando essas atitudes persistem por um período superior a seis meses, pode ser um sinal de alerta para o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade). O que muitos não sabem é que as crianças diagnosticadas com este tipo de transtorno também podem apresentar outros distúrbios associados, como é o caso do TOD (Transtorno Opositivo-Desafiador).

Continue acompanhando este artigo para saber mais sobre a relação entre TDAH e TOD, suas causas e como proceder diante destes quadros.

Quando TOD e TDAH estão Relacionados – O Que São?

O TOD configura uma interferência no comportamento da criança em forma de irritabilidade, excessos de raiva e indisciplina. Já o TDAH é um distúrbio neurobiológico que surge ainda na infância, caracterizado por desatenção, inquietude e atitudes impulsivas.

Assim sendo, o TOD interfere diretamente na maneira em que o TDAH se apresenta na vida da criança, podendo comprometer desde o seu comportamento com os familiares ou pessoas do seu cotidiano, até seu desempenho escolar. A exemplo disso, temos a dificuldade em ser uma pessoa organizada e a falta de controle do tempo.

Quando TOD e TDAH estão Relacionados – Quais São as Características?

A confirmação de que a criança sofre de Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade se dá por meio de uma análise médica, em que serão observados quesitos como:

  • Idade em que se iniciaram os sintomas;
  • Constância dos comportamentos;
  • Comprometimento das relações com as demais pessoas ou no âmbito pedagógico;
  • Os níveis de desatenção, hiperatividade e impulsividade.

O diagnóstico do Transtorno Opositivo-Desafiador também é feito através de uma observação clínica de comportamento da criança, após ela apresentar um padrão persistente (de no mínimo seis meses) de desobediência, negativismo e hostilidade.

Por não haver nenhum tipo de exame que comprove que o pequeno tem TOD, é preciso observar as seguintes características, principalmente se ele estiver na faixa etária acima dos cinco anos de idade:

  • Excesso de raiva;
  • Enfrentamento das pessoas que estão ao seu redor;
  • Comportamento agressivo;
  • Desobediência de um modo geral;
  • Comportamento de quem não respeita as regras ou solicitações;
  • Hostilidade com as outras pessoas;
  • Comportamento de quem não sabe lidar com as frustrações;
  • Entre outros.

Apesar de não ser culpa do pequeno, quando este tipo de distúrbio não é devidamente tratado com o auxílio médico, ele pode acabar interferindo gravemente na relação da criança com os demais amigos e familiares, por exemplo.

Por isso, é importante que os pais procurem um especialista para que ele analise o quadro em questão, confirme o diagnóstico e indique o melhor tipo de tratamento, além de orientar os pais e pessoas próximas sobre como lidar com esse tipo de situação.

Quando TOD e TDAH estão Relacionados – O Tratamento do TDAH

A melhor forma de lidar com o TDAH e com os demais distúrbios que podem vir associados é por meio de medicamentos, devidamente prescritos pelo médico que realiza o acompanhamento clínico da criança – geralmente um neuropediatra.

Somente o profissional, que está observando o caso desde o princípio, será capaz de indicar o medicamento que mais se adequa ao organismo e à rotina diária da criança, bem como os tipos de acompanhamento ele devem ser feitos em paralelo – como o tratamento psicopedagógico, neuropsicólogo e os cuidados devem ser tomados quanto ao seu desempenho escolar.

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!