Hiperatividade Infantil. Quantas vezes teve conhecimento de relatos ou até mesmo presenciou cenas de que as crianças estão cada dia mais impacientes? Saberia indicar quantos amigos, familiares e conhecidos que são pais reclamaram ou passaram vergonha diante de algum comportamento constrangedor de seus / suas filhos(as)?

E apesar de a educação ser um dos papéis dos pais e/ou responsáveis, não é sempre que eles conseguem manejar o comportamento das crianças. Existem casos de crianças que realmente tem problemas em controlar seus impulsos e emoções, como é o caso da Hiperatividade, que afeta o seu neurodesenvolvimento, por exemplo.

Continue acompanhando este artigo para saber como identificar um quadro de Hiperatividade Infantil e o que pode fazer diante de um diagnóstico como esse.

Hiperatividade Infantil

Entendendo a Hiperatividade Infantil

A Hiperatividade é uma das características da pessoa com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade) – sendo a outra, a incapacidade de manter o foco (ou desatenção). O TDAH é uma condição que afeta o neurodesenvolvimento, que predispõe a incapacidade de manter o controle do comportamento.

Como Identificar um Caso de Hiperatividade Infantil?

Ao contrário do que muitos pensam ou acreditam, a Hiperatividade e o TDAH não são sinônimos. O TDAH é uma condição patológica, que envolve agitação e desatenção acima do esperado para a idade, em mais de um ambiente (ex. casa e escola). Ou seja, a hiperatividade é só um dos sintomas do TDAH. A agitação também pode aparecer em crianças sem TDAH, quando são submetidas a excesso de exposição aos eletrônicos, ambientes agitados, etc.

Seu filho possui TDAH?
Marque sua Consulta com um Neuropediatra.

Por isso, é importante se atentar aos sinais desta condição, assim como os que podem ser conferidos a seguir, e procurar o médico especialista no assunto, como o Neuropediatra e o Psicólogo, para que haja um diagnóstico oficial e a criança possa ter um tratamento adequado. Se a sua criança apresenta vários desses sintomas, procure ajuda:

  • Mexer-se na cadeira por não conseguir ficar sentada por um longo período de tempo;
  • Se contorcer ou ficar agitada;
  • Aparentar que está desatenta ao que está lhe sendo dito;
  • Ter dificuldade para seguir uma instrução ou ordem mesmo que tenha entendido as regras;
  • Falar muito, de maneira excessiva, a ponto de interromper as conversas ou de querer falar em momentos inoportunos;
  • Apresentar dificuldade para se concentrar e prestar atenção tanto em casa quanto na escola ou em qualquer outro ambiente em que esteja inserida;
  • Distrair-se com facilidade;
  • Agir de forma inconsequente, como querer brincar em momentos inoportunos após ser avisada ou tomar alguma atitude perigosa;
  • Ficar andando por todo o espaço e ainda agitar as pessoas que estão ao redor;
  • Perder objetos com facilidade e frequentemente;
  • Ter dificuldade para brincar tranquilamente e com apenas um tipo de objeto por vez;
  • Mudar de tarefa sem antes ter concluído a anterior;
  • Dizer coisas sem pensar e até mesmo inapropriadas para a sua idade ou ambiente;
  • Apresentar dificuldade ou achar difícil jogar ou participar de atividades em silêncio;
  • Ser impaciente e rude em momentos que vão desde não aguentar esperar a sua vez em uma fila a falar antes do permitido, ou até responder uma questão antes de concluírem a pergunta, por exemplo;
  • Ter pouca ou nenhuma sensação de perigo;
  • Agir por impulso;
  • Dentre outros.

E para o diagnóstico, o profissional avalia o histórico detalhado do comportamento que é relatado pela própria criança e pelos pais, responsáveis e professores. Em seguida, analisa os resultados dos testes psicoeducacionais, físicos, neurológicos e psicológicos aplicados também para descartar as demais condições.

O médico também pode solicitar:

  • Exames de laboratório para verificar a saúde geral da criança;
  • Testes de visão e audição;
  • Verificações de:
    • desenvolvimento, aprendizagem, educacionais ou de QI;
    • linguagem, fala e movimento.

Hiperatividade Infantil e as Formas de Tratamento

Uma vez que for confirmado o diagnóstico de hiperatividade infantil, o médico inicia o tratamento. Esse pode ser feito à base de medicamentos juntamente com o trabalho em paralelo de um terapeuta comportamental e uso de técnicas de relaxamento – que devem ser orientadas e auxiliadas por um psicólogo.

Além disso, a família pode ajudar a criança a controlar tanto a doença, quanto os sintomas por meio da inserção de novos hábitos e comportamentos, como criar uma rotina, ou seja, impor limites e horários para a realização de tarefas. Dessa forma, ela passa a entender melhor que as coisas e pessoas precisam ser respeitadas.

Mais Informações sobre este assunto na Internet:

Artigo Publicado em: 17 de novembro de 2017 e Atualizado em: 17 de novembro de 2022

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!