A meningite é uma inflamação na membrana que reveste o cérebro. É uma doença contagiosa e, quando não diagnosticada e tratada corretamente, pode levar a graves sequelas.

A meningite possui três causadores comuns: vírus, bactérias e fungos. O tipo mais comum e geralmente menos agressivo é o viral. São cerca de 11 mil casos anuais no Brasil, e sua taxa de mortalidade é bem inferior à dos demais tipos.

Meningite Viral

Crianças com até 5 anos de idade são as que têm maior chance de contrair a meningite viral. Entretanto, a doença pode atingir pessoas de todas as faixas etárias.

Os sintomas da meningite viral em crianças assemelham-se aos sintomas dos adultos, e estes são frequentemente confundidos com os de doenças de menor gravidade, atrasando o diagnóstico da doença e o início do tratamento.

Transmissão da Meningite Viral

Os principais vírus envolvidos nas meningites virais são os Enterovírus. Esta é uma família de vírus que incluem o Coxsackievirus, o Echovirus, o Rhinovirus e o Poliovirus.         

Eles são transmitidos através de contato intenso ou contato com tosse, espirro, saliva, fezes de pessoas infectadas, água e alimentos. Esses tipos de transmissão são conhecidos como: transmissão fecal-oral, oral-oral e respiratória.

O período decorrido entre a exposição ao vírus e o aparecimento dos sintomas é de 7 a 14 dias. Assim, a limpeza e a higiene são fatores primordiais para prevenção da doença, assim como manter os ambientes sempre arejados.

Sintomas da Meningite Viral em Crianças

Os sintomas da meningite viral em crianças variam de acordo com a idade: os bebês com menos de um ano de idade ficam com a região da fontanela (moleira) inchada, ou seja, mais abaulada e tensa. Além disso, ficam muito chorosos e irritados.

Em bebês com menos de dois anos de idade, os sintomas comuns são: febre alta, choro constante, sonolência, irritabilidade, rigidez no pescoço e no corpo, falta de ânimo e de apetite.

Em crianças com mais de dois anos, os sintomas comuns são: febre alta e repentina, dor de cabeça forte, náuseas e vômitos, falta de energia (prostração), sonolência, falta de apetite, dor e rigidez no pescoço, dificuldade de concentração e confusão mental em casos graves.

Diagnóstico da Meningite Viral em Crianças

Após a manifestação dos sintomas da meningite viral, deve-se marcar uma consulta médica com urgência ou levar a criança ao pronto-socorro infantil.

Durante a consulta, o pediatra irá verificar se a criança apresenta no exame físico alguma característica da meningite. Se o exame físico estiver alterado, o próximo passo será coletar o líquido cefalorraquidiano (líquor ou punção liquórica).  

A coleta do líquor é feita no próprio pronto-socorro. É introduzida uma agulha na coluna lombar da criança e, então, são retirados cerca de 5-10ml de líquor. A dor da punção é igual a picada de uma agulha comum. Após a coleta, é importante que a criança permaneça deitada por cerca de 6 horas e beba muita água, para que não apresente dor de cabeça.

Para saber mais sobre a coleta do liquor, acesse este link.

Tratamento para Meningite Viral em Crianças

O tratamento da meningite viral em crianças é mais simples que o dos outros tipos de meningite: pode ser realizado em casa, através de medicação para controle dos sintomas. Entretanto, não existe um remédio capaz de eliminar o vírus causador da meningite.

Durante o tratamento da meningite viral, recomenda-se que a criança permaneça em repouso, sem ir à escola ou sair de casa. É necessário ingerir muito líquido: ao menos 2 litros de água, chá ou água de coco diariamente.

Medicamentos como Paracetamol, Dipirona ou Ibuprofeno são recomendados para controle da febre.

O tratamento da meningite viral dura aproximadamente duas semanas, e durante esse período a criança deve passar por acompanhamento médico semanal, para avaliação do progresso do tratamento.

Geralmente, cerca de três dias após o início do tratamento, surgem os sinais de melhora da meningite viral, que incluem: aumento do apetite, menor dificuldade em movimentar o pescoço, redução da febre e também das dores musculares.

Em pouquíssimos dos casos a criança vítima de meningite viral permanece internada durante o tratamento, para acompanhamento médico. Isto geralmente acontece quando a criança apresenta grande quantidade de vômitos, o que impede que hidrate-se de maneira adequada.

Devemos lembrar que existem outros tipos de acometimento das meninges e do cérebro causados por vírus na faixa pediátrica. São eles: meningoencefalite viral (quando o vírus invade o tecido cerebral e causa rebaixamento do nível de consciência, alteração da marcha ou crises epilépticas), romboencefalite viral (quando o vírus também atinge o tronco cerebral), dentre outros. Estes casos geralmente são mais graves e merecem atenção redobrada, além de um cuidado especializado no ambiente hospitalar.

Fonte:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2174764/