Seu filho reclama de dor de cabeça constantemente? Se isso se tornar um problema rotineiro, pode ser enxaqueca. Essa doença tem levado cada vez mais crianças aos consultórios médicos. As crises de enxaqueca atingem cerca de 5% da população infantil brasileira até os 8 anos de idade.  

Neste artigo, saiba mais sobre como diferenciar uma dor de cabeça simples de uma crise de enxaqueca, assim como seus sintomas e meios de tratamento.

Dor de Cabeça e Enxaqueca em Crianças – O Que São?

As dores de cabeça, ou cefaleias, podem ser causadas por vários fatores e são a principal justificativa de absentismo escolar. Essas dores podem ser classificadas em diferentes graus, sendo eles a cefaleia primária e secundária.

  • Cefaleia Primária – Geralmente, esta dor não está relacionada com doenças, sendo que a enxaqueca e a cefaleia de tensão são as mais comuns em crianças;
  • Cefaleia Secundária – Está relacionada com algum problema de saúde, sendo mais frequente em crianças que sofrem com algum quadro febril relacionado a infecções por vírus.

Dor de Cabeça e Enxaqueca em Crianças – Qual a Diferença?

A principal diferença entre uma simples dor de cabeça e uma crise de enxaqueca é a frequência com que os episódios ocorrem. Nos casos enxaquecosos as crises ocorrem com regularidade, em sua maioria com a presença de dores unilaterais, latejantes e fortes, que são acentuadas por esforços físicos.

Dor de Cabeça e Enxaqueca em Crianças – Causas

Existem diversos tipos de cefaleias catalogadas. Assim como o grande número de tipos de dor, suas causas também podem ser diversas. As mais comuns são:

  • Fatores emocionais, como o estresse;
  • Má alimentação;
  • Mudança de horários de sono;
  • Calor Excessivo;
  • Mudanças metabólicas;
  • Contaminações tóxicas;
  • Doenças infecciosas;
  • Fatores Genéticos;
  • Alterações bioquímicas cerebrais.

Dor de Cabeça e Enxaqueca em Crianças –  Como Identificar?

Se para um adulto já é difícil identificar os sintomas e características da dor de cabeça, para as crianças, sobretudo as pequenas, é uma tarefa muito complicada. Por vezes, elas não sabem distinguir os gatilhos da sua dor de cabeça e podem ser interpretadas pelos pais como manhosas.

Para ter certeza dos gatilhos que afetam seu filho, preste muita atenção nos sinais involuntários que ele apresenta. Veja a seguir alguns deles:

  • Fechar os olhos ao entrar em contato com a claridade ou pedir para que as luzes sejam apagadas;
  • Querer dormir fora da hora de costume;
  • Pedir para desligar a televisão;
  • Empalidecer de repente;
  • Recusar qualquer tipo de alimento;
  • Se queixar de dores de barriga;
  • Se queixar de lugares barulhentos;
  • Ficar mais quieta do que de costume.

Dor de Cabeça e Enxaqueca em Crianças –  Tratamento

O método de tratamento varia de acordo com a intensidade da dor, frequência das crises e idade da criança.

O primeiro passo é a identificação dos gatilhos: eles podem ser divididos em modificáveis (como a alimentação e rotina de sono), e não modificáveis (como estresse e mudança climática). Logo após essa distinção, o médico poderá receitar alguns remédios a serem ministrados na fase aguda da dor, em doses mais baixas do que as tomadas por adultos e sempre ajustadas ao peso da criança.

Se preferir, procure levar a criança para um lugar silencioso e tranquilo, com pouca luz para que ela possa pegar no sono.

Caso a criança volte a reclamar de dor ou sentir necessidade de tomar o medicamento frequentemente, é recomendado agendar um retorno ao médico. Um tratamento profilático, ou seja, usando medicamentos diariamente por um certo período de tempo com o objetivo de diminuir o número e intensidade das dores, só poderá ser utilizado mediante ao consenso de um profissional de confiança.

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!