Atividades Físicas Ajudam no Desenvolvimento Cerebral Infantil: Que as Atividades Físicas são Benéficas para a Saúde todos sabem, mas você sabia que elas podem influenciar diretamente e melhorar consideravelmente o Desenvolvimento Cerebral Infantil?

Atividades Físicas Ajudam no Desenvolvimento Cerebral Infantil

Pesquisadores da Universidade de Granada, na Espanha, constataram que praticar exercícios, ter uma boa condição aeróbica e apresentar boas habilidades motoras podem afetar a estrutura do Cérebro e Influenciar em seu Funcionamento, aumentando assim o volume da massa cinzenta, que está ligada tanto ao aprendizado quanto aos processos visuais e motores.

Continue acompanhando este artigo para saber como as Atividades Físicas Podem Ajudar no Desenvolvimento Cerebral Infantil e quais são os benefícios proporcionados às crianças.

Entenda Melhor Esta Relação – Atividades Físicas e Desenvolvimento Cerebral Infantil

De acordo com o Centro de Prevenção e Controle de Doenças dos Estados Unidos, as atividades físicas devem ser praticadas diariamente, por no mínimo sessenta minutos, levando-se em consideração os exercícios com carga de média a moderada. Isso não se aplica a crianças de até onze anos, visto que acabam se entediando, e comumente se dispersam após cerca de trinta minutos de atividades.

Quando a criança recebe estímulos dos pais ou os observa realizando atividades físicas, ela está mais propensa a seguir os exemplos dos mais velhos. Porém, quando ela não os recebe, pode acabar aumentando as chances de se tornar um adulto com diversas doenças crônicas, como diabetes, colesterol, pressão alta, obesidade, entre outras.
E segundo a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade, a taxa de crianças que estão acima do peso já é de aproximadamente 15%, seja por ela estar com sobrepeso ou por ser obesa.

Atividades Físicas e o Desenvolvimento Cerebral Infantil – Afinal, Quais São Os Benefícios?

Os principais benefícios das Atividades Físicas que acabam agindo em prol do Desenvolvimento Cerebral Infantil são:

    • Contribuição no desenvolvimento da motricidade, já que auxilia na Coordenação Motora, trabalha a agilidade, a força dos músculos e o equilíbrio;
    • Auxilia no aperfeiçoamento do potencial cognitivo e no controle das emoções;
    • Melhora a capacidade de aprendizagem através do aumento da concentração, da atenção, da memória e da estratégia, fazendo com que a criança tenha um bom desempenho escolar;
    • Dá margem para uma maior flexibilidade cognitiva, ou seja, faz com que a pessoa consiga pensar em alternativas nos momentos em que surge um imprevisto, logo ela se adapta e resolve as questões inesperadas;
    • Ajuda a melhorar a autoestima e a Independência da Criança;
    • Ensina a respeitar regras, a honrar compromissos e a adquirir disciplina;
    • Ajuda a Combater a Fadiga por meio da Diminuição dos Níveis de Estresse, o que regula a ansiedade e elimina o risco de um quadro de depressão infantil;
    • Auxilia no controle inibitório, ou seja, ajuda a controlar as atitudes impulsivas e a ignorar os estímulos irrelevantes para determinado momento;
    • Atua no aumento da imunidade e da produção de massa óssea, combatendo assim a obesidade ou sobrepeso e colaborando para que a criança tenha uma melhor qualidade de sono.

Também é importante ressaltar que a competição não deve ser estimulada até os doze anos de idade, visto que isso pode gerar frustrações, provocar crises emocionais, sentimentos depressivos e até mesmo resultar em agressões, já que o fato de “perder” é pouco aceito pelas crianças ou é visto como algo estritamente negativo.

Referência: International journal of environmental research and public health

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!