Atraso no Desenvolvimento por Tempo de Tela Excessivo. Você precisa trabalhar. O prazo para a entrega dos projetos e das planilhas já está no limite. As tarefas da casa acumularam. A mala de viagem se encontra no meio do caminho e incompleta. As roupas estão jogadas em cima da cama. Brinquedos espalhados por todo o canto. E no meio de todo esse caos tem uma criança que não para de chorar e pais desesperados que não sabem o que fazer.

Até encontrarem uma solução, vocês tentaram de tudo: revezamento para cuidar da criança. Deram brinquedos. Comida. Colocaram um som ambiente ou uma música para relaxar. Se dedicaram para fazer a criança dormir, chamaram parentes e babá… mas nada funcionou.

Até que, alguém tem a ideia: “vamos colocar algum desenho na televisão” e pronto. O silêncio veio e vocês já conseguem respirar aliviados. Mas até quando essa tática vai funcionar? Ela é mesmo a única saída? Existem danos futuros? Quais?

Continue acompanhando este artigo para saber mais como o Uso de Tela em Excesso Pode Ser Prejudicial e Causar um Atraso no Desenvolvimento das Crianças.

Atraso no Desenvolvimento por Tempo de Tela Excessivo – O Que Há Por Trás da Tecnologia?

Uma das coisas que o avanço tecnológico proporcionou foi uma nova forma de entreter as crianças, já que nem sempre os pais estão disponíveis para lhes dar atenção, seja por causa de um trabalho, de uma visita ou por qualquer outro motivo.

Quando as crianças ficam muito tempo expostas às telas de aparelhos, como o celular, a televisão, o videogame ou o tablet, por exemplo, elas podem ter o seu desenvolvimento prejudicado.

Devido ao fato de os pequenos realizarem as atividades automaticamente, eles acabam não estimulando mecanismos importantes do cérebro, como as capacidades de refletir, de manter o equilíbrio, de ter coordenação motora, etc.

Além de ter o desenvolvimento cerebral prejudicado, algumas das outras consequências do uso excessivo desses tipos de aparelhos são:

  • Ardência nos olhos;
  • Postura incorreta;
  • Dores de cabeça;
  • Depressão;
  • Sobrepeso e sedentarismo, devido à criança passar muito tempo sentada ou deitada;
  • Miopia, por causa da falta de exposição à luz natural;
  • Agressividade e noites de sono mal dormidas, já que a luz emitida pelos aparelhos atrapalha a produção da melatonina (hormônio responsável pela indução do sono).

Atraso no Desenvolvimento por Tempo de Tela Excessivo – O Período de Uso Adequado

Apesar de um documento divulgado pela UNICEF, no fim de 2017, “Situação Mundial da Infância 2017: Crianças e Adolescentes em um Mundo Digital”, apontar que 1 em cada 3 usuários de internet, no mundo, é uma criança, de acordo com a SBP, Sociedade Brasileira de Pediatria, existe um tempo ideal para as crianças ficarem em frente às telas, como você pode ver abaixo:

    • Os bebês de até dois anos de idade não devem ser expostos a nenhum tipo de aparelho, seja ele televisão ou celular, por exemplo, principalmente, durante as refeições e duas horas antes de dormir. Nessa fase, eles aprendem muito através da comunicação e da interação com as outras pessoas. Além do mais, precisam de estímulos para desenvolver todos os cinco sentidos e não somente a visão;
    • As crianças entre dois e cinco anos devem ficar de uma a duas horas, no máximo, por dia, sendo que esse tempo tem que ser dividido e intercalado com outras atividades, principalmente, as pedagógicas;
    • Dos seis anos em diante, a restrição fica por conta dos pais e/ou responsáveis;
      Além disso, os pequenos entre zero e dez anos, não devem ter televisão e nem computador instalados em seus quartos, e muito menos são aconselhados a levar os aparelhos eletrônicos para a cama.

É importante lembrar que as crianças não estão proibidas de usar esses aparelhos, mas que é preciso conciliar os tempos gastos em cada atividade, ainda mais por ser nessa faixa etária que o seu filho começa a ter a sua personalidade moldada e definida.

Além do mais, não dá para negar que, quando utilizados com cautela e de acordo com a idade da criança, os aparelhos eletrônicos são ótimos aliados na educação dos pequenos.

Desenhos e jogos, tanto de celular quanto de videogame, podem ser educativos. Os pais conseguem ter as respostas para as perguntas dos filhos instantaneamente ou até mesmo podem ensiná-los a encontrá-las; Os aparelhos podem ser utilizados como forma de distração quando nada mais funciona e você precisa terminar a tarefa que estava realizando, dentre tantos outros exemplos.

Atraso no Desenvolvimento por Tempo de Tela Excessivo – As Alternativas

Pensando no bem-estar da criança, o indicado é que os pais e/ou responsáveis se atentem a alguns hábitos e tomem algumas atitudes em específico, como:

  • Criar rotina e regras que devem ser seguidas, contendo, horário para: acordar, ir à escola, se alimentar, fazer as lições de casa e brincar, por exemplo;
  • Propor atividades dentro e fora de casa, principalmente, que estimulem a criatividade;
  • Passar mais tempo com a família reunida, para criar e/ou estreitar os laços;
  • Saber diferenciar os momentos em que o uso das telas é realmente necessário, como deixar a criança fazer uma chamada de vídeo com um parente que mora longe ou que não tem condições de fazer uma visita tão cedo, por exemplo;
  • Travar canais, programas e/ou aplicativos que não condizem com a faixa etária dela;
  • Estipular um tempo diário para que o pequeno se distraia ou descanse assistindo a um desenho na televisão ou a um vídeo na internet;
  • Fiscalizar o tipo de conteúdo que o seu filho está consumindo, tanto como forma de precaução de informações inapropriadas, como uma maneira de aproximar vocês ou como um jeito de te preparar para possíveis perguntas sobre os assuntos assistidos;
  • Dentre outros.

Referência: Healthline Parenthood

Neurologista Infantil SP - Compartilhe!